Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 18 de Novembro de 2017
Quem Somos   I   Contato
  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 Produção de Grãos
4 de Novembro, 2017 - 18:43
ESTUDO: País lidera custo de produção de grãos no Mercosul
     

 Os produtores brasileiros de grãos pagam, em média, 86% mais por insumos agrícolas que seus parceiros do Mercosul, diz estudo realizado pela Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul) em parceria com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). Conforme o trabalho, carga tributária e burocracias associadas à importação de máquinas, fertilizantes, defensivos e demais produtos necessários para o cultivo são as responsáveis pela grande diferença apurada.


Restrições - Segundo Antônio da Luz, economista-chefe do Sistema Farsul, enquanto argentinos e uruguaios podem adquirir insumos a preços praticados no mercado internacional, no Brasil a compra de máquinas e equipamentos, entre outros produtos, sofre uma série de restrições para proteger a indústria brasileira. "As requisições de inspeções e liberações de departamentos técnicos, além da incidência de taxas, impostos de importação, PIS/Cofins e ICMS, são mecanismos que fecham o país para a livre concorrência". "Do jeito que está, o resultado é uma competitividade reduzida tanto no mercado doméstico quanto nos mercados internacionais", afirma ele.


Análise - No estudo, foram analisados os tributos que incidem sobre insumos, serviços agrícolas, manutenção e distribuição e colheita em quatro culturas. E o maior peso está sobre a produção brasileira de arroz. Os impostos para o cultivo desse cereal representam 30,26% do custo total; na sequência vem o milho (27,10%), a soja (27,05%) e o trigo (26,21%).


Etapa - Manutenção e distribuição representaram uma das etapas com o percentual mais elevado de taxas - 38,7% no caso do arroz e 35,83% no do milho. Na fase da colheita, os tributos representam 35,83% do custo de produção em todas as culturas analisadas.


Máquinas agrícolas - Ao analisar produtos específicos, como máquinas agrícolas, o estudo revela que o preço cobrado por esses equipamentos poderia ser reduzido em um quarto se houvesse isenção de impostos para bens de capital, a exemplo do que ocorre em outros países. Já os adubos, fungicidas e pesticidas poderiam ficar 20% mais baratos.


Custo geral - O levantamento da Farsul e do IBPT mostra, também, que o custo geral de se produzir grãos no Brasil chega a ser, em média, 79% mais alto que na Argentina e 32% mais elevado que no Uruguai.


Desinteresse - Esses custos elevam o desinteresse na produção de trigo, segundo a entidade, e tendem a deixar o arroz também em segundo plano. "Os resultados de safra que temos este ano são graças ao empenho do produtor de buscar cada vez mais produtividade. Mas estamos enfrentando uma situação de safra cheia e bolso vazio. O produtor vem diminuindo cada vez mais sua margem e está vendendo até abaixo do custo de produção para poder sobreviver", afirma, no estudo, o presidente da Comissão do Arroz da Farsul, Francisco Schardong.


 


 


 

Fonte: Portaldoagronegocio
* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Notícias
18/11/2017
17/11/2017
16/11/2017
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
 
  FAVORITOS  
© 2017 - Todos direitos reservados