Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 18 de Novembro de 2017
Quem Somos   I   Contato
  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 Comercio Exterior.
9 de Novembro, 2017 - 13:24
COMÉRCIO EXTERIOR: Rússia pode ampliar restrições a carnes do país.
     

 A demora do Brasil em cumprir uma promessa feita para os russos há dois anos já afeta os exportadores de carne bovina do país e também pode respingar na indústria de carne suína, prejudicando um mercado responsável por 40% das exportações brasileiras do produto. Desconforto - O Valor apurou que a Rússia vem demonstrando desconforto com o atraso na abertura dos mercados de pescados e de trigo do Brasil, anunciada em outubro de 2015 pela então ministra da Agricultura, Kátia Abreu.


Barreiras - Insatisfeitos, os russos deram sinais de que poderão criar barreiras contra o setor, segundo fontes a par do tema. Na semana passada, a ameaça começou a se materializar. O serviço sanitário do país (Rosselkhoznadzor) proibiu as compras de carne bovina do frigorífico do Mataboi em Santa Fé de Goiás (GO), e também colocou em controle reforçado - sob mais testes - quatro abatedouros de bovinos (de JBS, Frigol, Frigoestrela e Frigon) e um de suínos (Aurora).


Preocupação - Na indústria de carne suína, a preocupação é que os russos possam ir além do controle reforçado, como sinalizaram na feira Anuga, na Alemanha.


Crítico - Embora os russos sejam relevantes para o segmento de carne bovina do Brasil, sendo responsáveis por 11% dos embarques, na carne suína o quadro é bem mais crítico. O setor é dependente da Rússia. Entre janeiro e setembro, os russos adquiriram 40% do volume exportado pelos frigoríficos de carne suína, o equivalente a 47% da receita obtida.


 


Interesse reafirmado - Procurado pelo Valor antes de as primeiras restrições russas serem anunciadas, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que durante sua visita à Rússia, há um mês, as autoridades do país reafirmaram o interesse de vender trigo e pescados - principalmente bacalhau - ao Brasil. Os russos também querem exportar carne bovina ao mercado brasileiro, disse.


Reciprocidade - "No mercado internacional é assim mesmo. Tem que ter reciprocidade senão as portas se fecham", disse o ministro, acrescentando que a abertura do mercado de carne bovina do Brasil aos russos está próxima. Ele não deu prazo para a abertura dos mercados de pescados e trigo para os russos.


Medida normal - No sábado (03/11), segundo a "Agência Brasil", Maggi disse que a suspensão temporária das importações de carne bovina do frigorífico Mataboi, de Goiás é uma medida normal. Segundo ele, o aumento de controle de qualidade pela Rússia não tem ligação com a Operação Carne Fraca. Ele afirmou que a Pasta ainda não recebeu um comunicado oficial. " É absolutamente normal acontecer esse tipo de evento, com suspensão temporária ou, às vezes, mais prolongada, quando o importador detecta uma inconformidade", disse o ministro.


Falhas russas - Uma fonte a par da negociações com os russos afirma que a demora do Brasil em abrir o mercado de pescados decorre de falhas russas, como o não envio da documentos pelas empresas interessadas.


 


Retrocesso - Para fontes do setor, um eventual bloqueio que vá além da unidade do Mataboi significaria um retrocesso na relação com a Rússia. No passado, os importadores russos eram conhecidos pela instabilidade, e os embargos temporários corriqueiros, sendo usados até como instrumento para barganhar. Clima amistoso - Desde 2014, o clima entre os brasileiros e os russos é mais amistoso. Em meio à crise geopolítica na Crimeia, os russos vetaram as importações de alimentos da União Europeia e dos Estados Unidos. Nesse cenário, o Brasil ganhou espaço e dezenas de unidades foram autorizadas a vender ao mercado russo.


Sintonia - Neste ano, a sintonia entre russos e brasileiros ficou evidente durante a crise de credibilidade que atingiu o setor depois da Operação Carne Fraca. Na ocasião, a maior parte dos países importadores proibiu temporariamente as carnes brasileiras. A Rússia manteve as compras dos produtos brasileiros e declarou publicamente confiar na carne nacional.

Fonte: Portal do Agronegócio.
* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Notícias
18/11/2017
17/11/2017
16/11/2017
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
 
  FAVORITOS  
© 2017 - Todos direitos reservados