Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 21 de Agosto de 2018
Quem Somos   I   Contato
  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 Contralodoria x Frigorifico.
13 de Marco, 2018 - 21:03
CGE abre processo contra JBS; multa pode passar de R$ 34 bi
     

 O controlador-geral do Estado Ciro Rodolpho Gonçalves instaurou um processo administrativo de responsabilização contra a empresa JBS, conforme portaria publicada no Diário Oficial que circula nesta terça-feira (13).


  O processo pode resultar em uma multa de até 20% do faturamento bruto da empresa no ano de 2017.


 Considerando que em 2016, por exemplo, a JBS teve um faturamento de R$ 170 bilhões, a multa aplicada à empresa pode passar dos R$ 34 bilhões.


 Caso responsabilizada, a JBS também pode ficar impedida de contratar com o poder público por um prazo de até cinco anos, em todo o País.


 O processo de responsabilização é fruto da delação premiada firmada pelo ex-governador Silval Barbosa junto à Procuradoria Geral da República (PGR) e que foi homologada em agosto do ano passado pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).


 Em sua delação, Silval relatou que o empresário Wesley Batista pagava propinas em troca de incentivos fiscais no Estado.


 O fato já havia sido confirmado pelo próprio Wesley em sua delação, na qual ele afirmou ter pagado um total de R$ 30 milhões em propina ao ex-governador de Mato Grosso.  


 Em janeiro deste ano, ao prestar novos esclarecimentos à CGE, o ex-governador Silval Barbosa deu mais detalhes do esquema de propina que subsidiam o processo administrativo instaurado pela Controladoria.


 Propina & dívidas de campanha


 As propinas pagas pelo sócio do Grupo JBS na gestão de Silval teriam quitado duas dívidas de R$ 7 milhões cada, contraídas pelo político.


 Em sua delação, Silval contou que durante a eleição de 2010 visitou o então presidente do Grupo JBS S/A, Joesley Batista, em São Paulo (SP), e pediu ajuda para custear a campanha, “tendo em vista que o Grupo JBS S/A tinha várias plantas frigoríficas no Estado de Mato Grosso e também por ser uma empresa de grande capacidade financeira”.


 Já em 2011, com a troca da presidência do grupo pelo irmão de Joesley, Wesley Batista, Silval disse que acertou com Wesley que a JBS pagaria propinas anuais a ele, para ajudar nas dívidas remanescentes de campanha e compromissos políticos, em troca de concessão de benefícios fiscais ao frigorífico.


 

Fonte: M.D
* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Notícias
20/08/2018
19/08/2018
18/08/2018
17/08/2018
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
 
  FAVORITOS  
© 2018 - Todos direitos reservados