Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 20 de Novembro de 2018
Quem Somos   I   Contato
  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 Soja, milho e Algodão .
8 de Setembro, 2018 - 18:47
Soja libera espaço para algodão e milho nas exportações de agosto
     

 Vendas externas de soja foram 24% menores do que em julho; as de milho subiram 137% no período. Quatro meses após o pico de safra, o fluxo de soja em direção aos portos começa a diminuir. Sai a leguminosa, entram milho e algodão na rota de exportações.


As vendas externas de soja somaram 8,1 milhões de toneladas no mês passado, 24% menos do que em julho. Já as de milho, embora menores do que as de soja em volume, subiram 137% no período.


O algodão também está com a safra em fase final e, com a colheita recorde de 2,1 milhões de toneladas de pluma, as vendas externas ganham ritmo: o país exportou 125% mais em agosto do que em julho.


A exportação da soja perdeu ritmo, mas ainda é bem superior à de agosto de 2017, quando somou 5,96 milhões de toneladas.


Dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior) desta segunda-feira (3) indicam que o volume e o preço da soja estão melhores.


Com isso, as receitas acumuladas com as vendas externas de grãos de janeiro a agosto atingem US$ 26 bilhões (R$ 108 bilhões).


Outro destaque no setor foi o farelo de soja, cujas receitas somaram US$ 4,7 bilhões (R$ 19,5 bilhões) no período, 31% mais do que de janeiro a agosto de 2017.


O Brasil ocupou parte do mercado argentino, tradicional exportador de farelo, por causa da quebra de safra de soja no país vizinho.


As carnes não repetiram, em agosto, o bom desempenho de julho, à exceção da bovina. Esta teve evolução de 6% nas vendas externas, enquanto a suína registrou recuo de 9% e a de frango, de 20%. Os dados se referem apenas às carnes "in natura".


A balança do agronegócio registra, ainda, queda de 43% nas receitas com açúcar bruto. As vendas caíram para US$ 3,4 bilhões (R$ 14 bilhões) nos oito primeiros meses deste ano.


Ajuste fiscal da Argentina afeta as exportações de produtos agrícolas


O pacote fiscal anunciado nesta segunda pelo presidente Mauricio Macri recaiu também sobre as vendas externas de produtos agrícolas.


O governo vinha retirando, mês a mês, parte da taxa de exportação sobre a soja. Até o fim de 2019, voltaria a 18%.


A alíquota voltou nesta segunda para 18%, mas serão retidos 4 pesos por dólar arrecadado com as exportações. Com isso, a taxa sobre as exportações de soja volta para próximo de 29%.


Milho e trigo, liberados por Macri das taxas de exportação ao assumir o governo, também voltam à lista dos produtos que pagarão imposto. No caso, vale o desconto de 4 pesos por dólar, o que deverá representar uma carga tributária próxima de 11%.


A elevação da tributação sobre a soja e seus derivados na Argentina não tem grande influência para o Brasil, líder mundial em exportações de soja em grãos.


Já a tributação sobre o trigo poderá ser um ônus para os brasileiros, tradicionais importadores do cereal.


O Brasil deverá importar 6 milhões de toneladas de trigo neste ano, dos 11 milhões que consome. Boa parte virá da Argentina.


A taxa sobre o milho poderá favorecer os brasileiros. Antes importadores de milho argentino, agora o Brasil é competidor do país vizinho.


 

Fonte: P do A.
* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Notícias
19/11/2018
18/11/2018
17/11/2018
16/11/2018
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
 
  FAVORITOS  
© 2018 - Todos direitos reservados