Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 14 de Outubro de 2019
Quem Somos   I   Contato

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 Pecuária.
2 de Outubro, 2019 - 10:33
Como fazer uma boa estação de monta usando as melhores estratégias de inseminação artificial
     

 Recentes trabalhos conduzidos pelos Departamentos de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo – FMVZ/USP, campus de São Paulo e campus de Pirassununga em parceria com a Biogénesis Bagó demonstraram que a adoção estratégica de do hormônio GnRH (Gonaxal), pontualmente em fêmeas que não apresentaram cio no protocolo de inseminação artificial em tempo fixo (IATF), promove incrementos na taxa de prenhez destes animais que pode variar de 3% a 10%.


Mesmo quando utilizado em massa em todas as fêmeas protocoladas junto do momento da inseminação artificial (IA), esta estratégia tem conseguido incrementos mesmo nos animais que apresentaram cio pré-IA, como nos trabalhos em parceria com a Embrapa de Rondônia, onde usávamos o bastão marcador de cio na anca das fêmeas no D8 do protocolo e no D10. Os animais que não tiveram a marca de bastão retirada, fazíamos o Gonaxal no momento da IA.


Já nos trabalhos em parceria com o Departamento de Reprodução Animal da FMVZ/USP, usamos duas estratégias: a do bastão no D8 e massal (Gonaxal em todas as fêmeas no momento da IA), com excelentes resultados nas duas estratégias.


Outro resultado positivo foi com a utilização do Kit Adaptador® Min e Vit, um suplemento injetável mineral e vitamínico pré-IATF, para combater radicais livres e o estresse oxidativo advindo dos manejos das fêmeas na IATF. Os trabalhos realizados demonstraram que o uso desta suplementação promoveu um incremento da produção de enzimas antioxidativas, entre elas a superoxido dismutase (SOD) nos animais tratados, reduzindo os efeitos deletérios dos radicais livres, melhorando a imunidade e, consequentemente, aumentando a taxa de prenhez dos animais tratados. Com isso, os animais apresentaram maior ciclicidade, maior diâmetro do folículo dominante (FD) e melhor corpo lúteo.


A enzima superóxido dismutase (SOD) catalisa a dismutação do superóxido em oxigênio e peróxido de hidrogênio, considerada uma importante defesa antioxidante na maioria das células expostas ao oxigênio.


Uma estratégia que deve ser adotada com maior ênfase é também o uso de vacinas reprodutivas (Bioabortogen H + Bioleptogen) em todas as fêmeas em reprodução, nulíparas, primíparas, secundíparas e pluríparas. Elas não só ajudam a alcançar bons índices de prenhez na IATF, como também garantem que o fundo de vacada (perdas pós-diagnóstico gestacional) não seja alto. Por isso, devemos usar estrategicamente as vacinas pré-estação de monta ou junto da IATF para conseguir os melhores resultados.


Protocolos com bons resultados


Estudos apontam que propriedades que associam IATF com pelo menos uma Ressinc (segunda IATF por sincronização tradicional, precoce ou superprecoce, seguido de repasse de touro por monta natural) conseguem finalizar a estação de monta com índices próximos de 85% de prenhez, podendo alcançar marcas superiores a 90%. Atualmente, uma das estratégias é adoção desse manejo e propriedades que já fazem uma IATF estão buscando intensificar o uso da inseminação artificial com Ressinc.


Também há opção de protocolos já consolidados, como o com três contenções (D0, D8 e D10). Este é um dos mais utilizado devido à sua facilidade de execução pelo menor estresse dos animais (menos contenções) e pelas opções de ajustes de dias e horários para ser executado.


Um exemplo prático de como funciona:


- D0 (manhã) Benzoato de Estradiol (BE) + Dispositivo de Progesterona (P4)

- D8 (manhã) Cipionato de Estradiol (CE) + Prostaglandina (PGF) + Gonadotrofina coriônica equina (eCG)

- D10 (manhã) Inseminação Artificial (IA)


Por que este é o protocolo mais buscado? Porque ele permite opções ao veterinário e/ou fazenda fazer adaptações, pois é possível adiantar o protocolo para D0, D7 e D9 ou atrasar para D0, D9 e D11 em uma eventualidade com resultados de prenhez semelhantes ao tradicional.


Produtos e estratégias imprescindíveis


Independente do protocolo escolhido e que mais se adapte à realidade da propriedade, é preciso planejamento e segurança no manejo. Os fármacos devem ser providenciados com antecedência e com pelo menos 5% a mais de produto para uma eventualidade. Entre os produtos necessários para a estação de monta estão o Bioestrogen (BE), Dispositivos de Progesterona (P4) Monodose (Repro One) ou multiuso (Repro Neo), Croni-Cip (CE), Croniben (PGF), Ecegon (eCG), Bastão de Cio, Gonaxal (GnRH) e Kit Adaptador® Min e Vit (suplemento injetável).


Além dos produtos de boa procedência, é fundamental contratar assistência de profissionais capacitados para montar a estação de monta e organizar a IATF na propriedade, como também orientar na aquisição de sêmen e outros insumos.


A orientação que dou é sempre adquirir produtos de boa procedência e tempo de mercado, sendo protocolos fechados da mesma empresa, evitando o uso de protocolos “Frankenstein”, que em caso de algum insucesso, podem ficar sem solução.


Reuel Luiz Goncalves - Gerente Serviços Técnicos da Biogénesis Bagó


 

Fonte: P do A.
* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Notícias
13/10/2019
12/10/2019
11/10/2019
10/10/2019
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
 
  FAVORITOS  
© 2019 - Todos direitos reservados