Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 08 de Abril de 2020
Quem Somos   I   Contato

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 Soja.
25 de Marco, 2020 - 15:07
Soja volta a subir na Bolsa de Chicago neste dia com atenção à demanda e economia global.
     

 Neste dia, o mercado da soja volta a subir na Bolsa de Chicago, depois de terminar o pregão anterior com estabilidade. As cotações subiam entre 2,75 e 6,25 pontos nos principais contratos, por volta de 7h10 (horário de Brasília), com o maio sendo cotado a US$ 8,89 e o julho, US$ 8,91 por bushel.


O mercado internacional passa por esse momento de recuperação, após perdas consecutivas na CBOT, agora olhando com um pouco mais de otimismo para o combate à pandemia do coronavírus e com perspectivas melhores à demanda pela oleaginosa norte-americana. Entretanto, como explica Steve Cachia, consultor da Cerealpar e da AgroCulte, as notícias ligadas ao vírus são frágeis, tem rápida validade e a mudança de comportamento dos traders só viria com uma vacina.


"A única carta que de curtíssimo prazo que pode alterar este cenário de incerteza e a confirmação de uma vacina e/ou cura. Para tanto, as cotações das commodities agricolas tendem a seguir sob pressão. Claro que haverá tentativas de reação como está tendo no momento na soja, milho e trigo, mas precisamos de mais dados sobre como o Covid-19 está afetando a demanda antes de comemorar que as mínimas já foram feitas", explica Cachia.


Mundo a fora, o mercado vai recebendo as informações e processando-as, especialmente aquelas ligadas aos estímulos e medidas que vêm sendo propostas por países e nas principais economias globais. Nesta quarta, os índices asiáticos registraram suas máximas em uma semana, bem como nos EUA foi acordado entre Congresso e negociadores um pacote de US$ 2 trilhões para ajuda no combate ao coronavírus. A votação pelo Senado e Câmara deve acontecer na tarde desta quarta.


Veja como fechou o mercado nesta terça-feira:


Brasil já tem contratadas 23 milhões de toneladas de soja para exportar entre março e abril


Depois das fortes altas das últimas sessões, soja em Chicago perde fôlego, mas ainda encerra positiva nesta terça-feira (24)


O mercado brasileiro da soja atuou de forma um pouco mais tímida nesta terça-feira (24) e encerra o dia com suas referências, praticamente, inalteradas diante de uma estabilidade na conclusão dos negócios na Bolsa de Chicago e da baixa do dólar frente ao real.


Na conclusão do dia, o produto no disponível fechou com R$ 101,50 por saca, de referência, no porto de Paranaguá e R$ 101,00 em Rio Grande. Para abril, R$ 100,50 e R$ 100,00 por saca, respectivamente. No porto de São Francisco, o último indicativo também foi de R$ 100,00.


No interior, apesar do recuo no câmbio, algumas praças marcaram ganhos superiores a 1%, como foi o caso de Não-Me-Toque e Panambi, no Rio Grande do Sul, com os preços chegando a R$ 88,00 e R$ 89,04 por saca, ou de 2,15% em Castro, no Paranám para R$ 95,00.


O mercado nacional não sobe motivado apenas pela vantagem cambial, mas também pela demanda intensa pela soja brasileira, tanto internamente, quanto para exportação.


"O dólar acima dos R$ 5,00 favorece as negociações e há uma corrida de vendas, com os preços batendo recordes essa semana. Foi negociada soja acima dos R$ 102,00 e o mercado segue muito comprador. E as projeções para abril são de recordes também em abril e maio", explica Vlamir Brandalizze, consultor de mercado da Brandalizze Consulting.


Com isso, a comercialização chega a quase 70% da safra atual e indo para 30% para a safra nova, liderada pelo Mato Grosso, que tem 45% de comprometimento - e alguns produtores do estado já tendo vendido até 50% da safra 2020/21, ainda como explica Brandalizze.


"E nos melhores momentos, a soja da safra nova foi negociada até a R$ 100,00, R$ 101,00 por saca. Nessa semana, os indicativos variam de R$ 96,00 a R$ 98,00. Nesses níveis, as relações de troca estavam bastante favoráveis com insumos e o ritmo dos negócios seguem fortes, mesmo com o coronavírus. O mercado não pode parar, o produtor tem que se preparar para a safra, e vem aí uma safra de grande potencial pela frente, devemos plantar mais, o mundo precisa de mais soja para 2021", diz o consultor.


Mais do que isso, Vlamir Brandalizze afirma que o mercado está ainda mais atento ao consumo mundial de alimentos. "Com a pandemia, as pessoas estão comendo mais, e o mundo vai precisar de mais alimento", diz.


BOLSA DE CHICAGO


Na Bolsa de Chicago, os futuros da soja terminaram o pregão com pequenas altas de 1,75 a 3 pontos nos principais vencimentos, com o o maio valendo US$ 8,86 e o julho, US$ 8,87 por bushel.

Fonte: P do A.
* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Notícias
07/04/2020
06/04/2020
05/04/2020
03/04/2020
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
 
  FAVORITOS  
© 2020 - Todos direitos reservados